sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Entrevista de Ciro na Folha




A Folha, o Estadão, Zero Hora, até mesmo o Jornal Gazeta do Sul, aqui de Santa Cruz, só tem publicado notícias tendenciosas sobre o processo eleitoral. No primeiro turno, foram as graves "denúncias" sobre a quebra de sigilo dos filhinhos e parentes de Serra; agora, as tentativas tenazes de marcar o debate eleitoral pela questão do aborto; uma agenda que, claramente, serve apenas para o golpista Serra levar a cabo seu projeto de demonização de uma das pessoas mais sérias e competentes da política brasileira, Dilma Roussef, que lutou contra a ditadura e ajudou o Brasil, em seus vários anos de vida pública, a ser o país valoroso e próspero que é hoje.  Por que ninguém fala um pouco da responsabilidade dos tucanos com licitações fraudulentas nas obras do mêtro em São Paulo (que ocasionaram o acidente que matou operários e desalojou várias famílias)? Por que ninguém fala que os políticos responsáveis do PSDB, que viviam na TV lamentando a gastança do governo Lula e os riscos que podia representar para a estabilidade econômica, estão agora prometendo até 13° para aquilo que a esposa de Serra chamou de"bolsa vagabundagem"? Por que só há uma agenda que favorece Serra na cobertura que a mídia vem fazendo dessas eleições?

O leitor que não é bobo deve saber quem representa uma ameaça à democracia no Brasil. E se duvidam que as coisas que estou dizendo sejam verdade, espiem o esforço que o repórter da Folha faz nessa entrevista, para arrancar uma declaração comprometedora do Ciro Gomes. Não conseguiu e, por cima de tudo, arrancou uma das declarações mais sensatas que já li sobre aborto e a exploração de temas religiosos em política.
Segue, abaixo, uma pequena citação do Ciro e a entrevista, na íntegra, pode ser lida no link indicado acima.

Viva a democracia e viva a República e condene quem estiver fazendo isso, seja quem for. Porque, amigo bom, você é um jornalista. O dia em que gente permitir que o Brasil, que é admirado no mundo inteiro pela sua pluralidade, pela sua tolerância, pela sua laicização, por sua capacidade de todas as crenças sincreticamente se celebrarem aqui, sem violências, sem ódios, porque sempre mantivemos isso fora da política. Está se fazendo isso. Estou chamando a atenção.
Há limites. Determinados oportunismos tem que ser banidos, porque eleições se ganham e se perdem, mas as construções das bases em que uma cidadania se afirma... O Brasil pode estar experimentando nesse instante um retrocesso. Eu no dia em que precisar consultar o aiatolá da minha comunidade para tomar uma decisão civil, eu estou fora. Que ela vá lá ele mesmo, ele o aiatolá, o mulá, que vá lá e tome conta ele mesmo. 










3 comentários:

Cassionei Petry disse...

A palhaçada dessa eleição não é só a eleição do Tiririca, mas a influência que os evangélicos tiveram, e estão tendo, com a polêmica sobre o aborto. Tantos assuntos e parece que só esse está em pauta. Se o Serra fosse coerente com seu discurso, não diria que é contra o aborto, aliás essa questão nem pode se resumir em pró ou contra.
Ia escrever algo para a Gazeta, mas eles costumam censurar temas religiosos, até achei "milagre" que publicaram minha defesa de Dawkins e Hitchens.
Continuo sempre lendo seu blog, já que ficamos órfãos da tua coluna. Abraço.

c. disse...

Ei Flávio!

Bacana ver que uma pessoa religiosa como tu se indignando com o oportunismo do Serra. Creio que outros religiosos também se sentem assim. Acabei te citando no aNimOt.

Abração!

Flavio Williges disse...

Pois é, Cesar, minhas crenças religiosas não me impedem de ver que o aborto (e outros temas da agenda religiosa) é um problema de saúde pública e como tal deve ser tratado pelos representantes do Estado. O Estado tem o dever de proteger a média da população (pautar políticas por estatísticas). O resto é da consciência individual. O que não dá prá tolerar é transformar um problema sério como esse num instrumento de manipulação eleitoral.
Felizmente li hoje no terra que o Serra vai parar de discutir picuinhas como o aborto. A notícia, por um grande acaso, saiu depois que foi divulgado que ele votou a favor de um projeto de legalização do aborto no Senado ou algo assim...não lembro bem. Alguém também encontrou um vídeo da Soninha, que é da coordenação da campanha dele, dizendo que fez aborto. Legal né...quero ver agora ele ficar dizendo que os valores da honestidade, da justiça, da verdade, devem pautar o debate. Se ele defender isso, vai ter que explicar muita coisa.