domingo, 14 de dezembro de 2008

O que pode atormentar o homem?


Quando a vida complica, nada melhor do que filosofia estóica, café e silêncio!

Da vida humana, a duração é um ponto; a substância, fluída; a sensação, apagada; a composição de todo o corpo, putrescível; a alma, inquieta; a sorte, imprevisível; a fama, incerta.
Em suma, tudo que é do corpo é um rio; o que é da alma, sonho e névoa; a vida, uma guerra, um desterro; a fama póstuma, olvido.
O que, pois, pode servir-nos de guia? Só e única a Filosofia. Consiste ela em guardar o nume interior livre de insolências e danos, mais forte que os prazeres e mágoas, nada fazendo com leviandade, engano ou dissimulação, nem precisando que outrem faça ou deixe de fazer nada, acatando, ainda, os eventos e quinhões que lhe tocam, como vindos da mesma origem qualquer donde vem ele próprio; sobretudo, aguardando de boa mente a morte, qual mera dissolução dos elementos de que se compõe cada um dos viventes (Marco Aurélio, Meditações, col. pensadores, p. 269)

3 comentários:

Giovani Felice disse...

Flávio

'Quando a vida complica, nada melhor do que filosofia estóica, café e silêncio!'
Mais algumas "receita" jóias que leio hoje. O que disse lá no blog do nosso César (a respeito da postagem dele de como aliviar a "deprex"), agora faço uma adpatação.
Esses teus "conselhos" me lembraram o velho Russell, em *A Conquista da Felicidade*. Um livro, ele nos diz, 'inspirado pelo bom senso' e cujas 'receitas oferecidas ao leitor' foram 'confirmadas pela [sua] própria experiência e observação, e ainda aumentando [sua] própria felicidade sempre que agi[u] de acordo com elas'. Eu acho que é quando filósofos se apresentam assim como Russell, e tu com as tuas receitas para "quando a vida complica", que a filosofia me parece mais com um "modo de vida". Os antigos, que tu conhece como poucos, já sabiam disso, e não é por acaso que no livro do Russell existem um pá de referências aos epicuristas, estóicos, etc.
Realmente é bom ter amigos assim!
Um abração.

Flavio disse...

Legal Gio! Conheço os Problemas de Filosofia do Russell, um texto que provavelmente deve ser desse período mais "open". Sendo uma sugestão tua, não posso deixar de ler a Conquista da Felicidade. Ouvi dizer que o Wittgenstein não gostava desses livros do R. voltados para o o grande público. Apesar de genial, Wit.deveria ser um cara insuportável. Mais deixemos Wit. no canto dele. Eu só posso dizer que todo mundo deveria ter um Giovani por perto.

Flavio

César S. disse...

Concordo, Flávio. Blogar tendo um leitor-comentarista como o Giovani é o ouro.